Workers Who Produce Industrial Fabrics and Cultivate the Land: Textile Labor, Migrations and Connections between Rural and Factory Work

Trabajadores que producen tejidos industriales y cultivan la tierra: trabajo textil, migraciones y conexiones entre trabajo rural y fabril

Trabalhadores que produzem tecidos industriais e cultivam a terra: trabalho têxtil, migrações e conexões entre trabalho rural e fabril

Autores/as

  • Juçara da Silva Barbosa de Mello Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, Brasil
  • Felipe Augusto dos Santos Ribeiro Universidade Estadual do Piauí, Brasil

DOI:

https://doi.org/10.48038/revlatt.n1.6

Palabras clave:

trabajadores textiles, migración, trabajo rural y fabril, identidades tejedoras

Resumen

Este artículo explora las experiencias de los trabajadores migrantes, muchos de zonas rurales, que se establecieron en un importante centro de la industria textil en Brasil, ubicado en el estado de Río de Janeiro. Al articular varias fuentes históricas, buscamos comprender tanto las prácticas agrícolas mantenidas por los migrantes debido a su origen como los incentivos para trabajar en los campos fomentados por los empleadores fabriles. En contraste con los estudios guiados por nociones de modernización que han vinculado crudamente al mundo manufacturero con el progreso en oposición con el agrícola, este artículo examina cómo los trabajos rurales y fabriles coexistieron en múltiples combinaciones. Sostenemos que el término "roçado operário", utilizado en muchos estudios, no es suficiente para describir un fenómeno social tan variado y complejo. Por lo tanto, proponemos nuevas reflexiones para comprender las diversas formas de uso de la tierra por estos trabajadores.

Abstract

This article explores the experiences of migrant workers, many from rural areas, who settled in a major center of the textile industry in Brazil, located in the state of Rio de Janeiro and which housed to four factories. Articulating several historical sources, we seek to understand both the agricultural practices maintained by migrants from the countryside, and the incentives to work in the fields fostered by employers in the factories. In contrast to studies guided by notions of modernization which have crudely linked the manufacturing world to progress as opposed to the agricultural, this article examines how rural and factory labor coexisted in multiple combinations. We argue that the term “roçado operário” (factory worker’s farm), used in many studies, is not enough to describe a far more varied and complex social phenomenon. Therefore, we propose a new framework for understanding the various forms of land use by these workers.

Resumo

Este artigo explora as experiências de trabalhadores migrantes, muitos deles procedentes do meio rural, que se estabeleceram em um importante pólo da indústria têxtil do Brasil, localizado no estado do Rio de Janeiro. Articulando diversas fontes históricas, buscamos compreender tanto as práticas agrícolas mantidas pelos migrantes devido à sua origem, quanto os incentivos ao trabalho na lavoura promovidos pelos empregadores nas fábricas. Em contraste com estudos guiados por noções de modernização que vincularam grosseiramente o mundo fabril ao progresso em oposição ao agrícola, este artigo examina como o trabalho rural e o trabalho fabril coexistiram em múltiplas combinações. Argumentamos que o termo "roçado operário", utilizado em muitos estudos, não é suficiente para descrever um fenômeno social muito mais variado e complexo. Portanto, propomos um novo arcabouço para a compreensão das diversas formas de uso do solo por esses trabalhadores.

Citas

Alvim, Rosilene. A sedução da cidade: os operários-camponeses e a Fábrica dos Lundgren. Rio de Janeiro: Graphia, 1997.

Brandão Lopes, Juarez Rubens. Crise do Brasil arcaico. São Paulo: Difel, 1967.

Brandão Lopes, Juarez Rubens. Sociedade industrial no Brasil. São Paulo: Difel, 1964.

Câmara Municipal de Magé. Livro de Atas Legislativas, 21, 1959-1960.

Camou, María Magdalena and Silvana Maubrigades. “El desafío de la productividad en la industria ‘tradicional’ uruguaya”, in Trabajo e historia en el Uruguay: investigaciones recientes, coord. by Camou and Rodolfo Porrini. Montevideo: Universidad de la República, 2006.

Correia, Telma de Barros. “De vila operária a cidade-companhia: as aglomerações criadas por empresas no vocabulário especializado e vernacular”. Revista Brasileira de Estudos Urbanos e Regionais, 4, 2001.

Costa, Hélio da. “Trabalhadores, sindicatos e suas lutas em São Paulo (1943-1953)”, in Na luta por direitos: leituras recentes em História Social do Trabalho, Alexandre Fortes, Antonio Luigi Negro and Fernando Teixeira da Silva. São Paulo: Unicamp, 1999.

Dezemone, Marcus. “Do cativeiro à reforma agrária: colonato, direitos e conflitos (1872-1987”. Doctoral dissertation, Universidade Federal Fluminense, 2008.

Diniz, Eli. “O Estado Novo: estrutura de poder. Relações de classe”, in Historia Geral da Civilização Brasileira. V. 10: O Brasil Republicano. Sociedade e política (1930/1964). Coord. by Ângela de Castro Gomes et al. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2007.

Engels, Frederick. The Housing Question. New York: International Workers, N.D.).

Felipe Ribeiro, A foice, o martelo e outras ferramentas de ação política: os trabalhadores rurais e têxteis de Magé/RJ (1956-1973). PhD diss., Fundação Getúlio Vargas, 2015.

Fernandes Pereira, Aline. “A Fábrica Santo Aleixo: a importância de uma indústria têxtil como exemplo de trabalho manufatureiro livre em uma sociedade escravista”. Dissertação Mestrado em História Social, Universidade Severino Sombra, 2006.

Fernández, María Inés and Lilian Legnazzi. Mujeres en la industria textil: de la fábrica al taller clandestino. Buenos Aires: Biblos, 2012.

Ferreira Paz, Adalberto Júnior. “Capital, trabalho e moradia em complexos habitacionais de empresa: Serra do Navio e o Amapá na década de 1950”, in Do lado de cá, fragmentos de História do Amapá, coord. Alexandre Amaral. Belém: Açaí, 2011.

Figueiredo, Joana Lima. “Fábrica Santo Aleixo: Magé, Arte e Patrimônio da Industrialização (1847-1979)”. Dissertação Mestrado em Ciência da Arte, Universidade Federal Fluminense, 2008.

Fontes, Paulo. Um Nordeste em São Paulo: trabalhadores migrantes em São Miguel Paulista (1945-66). Rio de Janeiro: Editora FGV, 2008. English version: Migration and the Making of Industrial São Paulo. Durham: Duke University Press, 2016.

Gomes, Ângela de Castro. Cidadania e direitos do trabalho. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2002.

Gunn, Philip and Telma de Barros Correia. “A industrialização brasileira e a dimensão geográfica dos estabelecimentos industriais”. Revista Brasileira de Estudos Urbanos e Regionais, 7, 2005.

Hahamovitch, Cindy and Rick Halpern. “Not a ‘sack of potatoes’: why labor historians need to take agriculture seriously”. International Labor and Working-Class History, 65, 2004.

Imprensa Popular. Mar. 4, 1953; Jul. 21, 1954.

Joshi, Chitra. “Espaços do trabalho e história social na Índia”. Estudos Históricos, 22, 2009.

Leite Lopes, José Sérgio and Sylvain Maresca. “A Morte da ‘Alegria do Povo’”. Revista Brasileira de Ciências Sociais, 20, 1992.

Leite Lopes, José Sérgio. “Sobre os trabalhadores da grande indústria na pequena cidade: crítica e resgate da ‘Crise do Brasil Arcaico’”, in Cultura & identidade operária: aspectos da cultura da classe trabalhadora. Rio de Janeiro: Marco Zero-UFRJ, 1987.

Leite Lopes, José Sérgio. A Tecelagem dos Conflitos de Classe na Cidade das Chaminés. Brasília: Editora UNB e Marco Zero, 1988.

Leite Lopes, José Sérgio. O vapor do diabo: o trabalho dos operários do açúcar. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1978.

Mello, Hildete Pereira and Cláudio Monteiro Considera. “Industrialização Fluminense - 1930/1980”. Revista do Rio de Janeiro, 1, 1986.

Mello, Juçara da Silva Barbosa de. “Fios da rede: industrial e trabalhadores na criação e expansão de um grupo empresarial (1920-1949)”. Doctoral dissertation, Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, 2012.

Mello, Juçara da Silva Barbosa de. Identidade, memória e história em Santo Aleixo: aspectos do cotidiano operário na construção de uma cultura fabril. Curitiba: Prismas/Appris, 2019.

Mello, Othon Bezerra de. “A evolução da indústria de tecidos de algodão em Pernambuco”. Revista do Instituto Arqueológico, Histórico e Geográfico Pernambucano, 29, 1928-1929.

Mendes de Oliveira, Geraldo de Beauclair. Raízes da indústria no Brasil: a pré-indústria fluminense, 1808-1860. Rio de Janeiro: Studio F&S Editora, 1992.

Mingione, Enzo and Enrico Pugliese. “A difícil delimitação do ‘urbano’ e do ‘rural’: alguns exemplos e implicações teóricas”. Revista Crítica de Ciências Sociais, 22, 1987.

Negro, Antonio Luigi. “Paternalismo, populismo e história social”. Cadernos AEL, 11, 2004.

Oliveira, Márcio Piñon de. “Bangu: de fábrica-fazenda e cidade-fábrica a mais uma fábrica na cidade”. Thesis, Universidade Federal do Rio de Janeiro, 1991.

Oliveira, Sônia Maria Gonzaga de. “Montanhas de Pano: fábrica e vila operária em Santo Aleixo”. Dissertação de Mestrado em Antropologia Social, Museo Nacional de la Universidad Federal de Rio de Janeiro, 1992.

Pessanha, Elina and Regina Morel. “Gerações operárias: rupturas e continuidades na experiência de metalúrgicos do Rio de Janeiro”. Revista Brasileira de Ciências Sociais, 17, 1991.

Priori, Angelo. “Legislação social e sindicalismo: um estudo sobre os trabalhadores rurais no norte do Paraná (1956-1963)”. Thesis, Universidade Estadual Paulista, 1994.

Ramalho, José Ricardo. Estado Patrão e Luta Operária: o caso FNM. São Paulo: Paz e Terra, 1989.

Ramos, Licério. Interview for documentary film “Tear” (Loom), [directed by Taiane Linhares], 2013. www.doctear.com.br.

Ribeiro, Felipe. Memórias da Moscouzinho: os tecelões de Santo Aleixo e a liderança de Astério dos Santos. Jundiaí: Paco Editorial, 2016.

Santos, Renato Peixoto dos. Magé: Terra do Dedo de Deus. Rio de Janeiro: IBGE, 1957.

Savage, Mike. “Classe e história do trabalho”, in Culturas de classe: identidades e diversidade na formação do operariado, coord. Cláudio Batalha, Teixeira da Silva and Fortes. Campinas: Unicamp, 2004.

Savage, Mike. “Espaço, redes e formação de classe”. Revista Mundos do Trabalho, 3, 2011.

Seyferth, Giralda. “Aspectos da proletarização do campesinato no Vale do Itajaí (SC)”, in Cultura & identidade operária, coord. Leite Lopes, 1987.

Souza, Lúcia de. Interview for documentary film “Tear” (Loom), [directed by Taiane Linhares], 2013. www.doctear.com.br.

Stein, Stanley J. Origens e evolução da indústria têxtil no Brasil, 1850-1950. Rio de Janeiro: Campus, 1979. Original version: The Brazilian Cotton Manufacture: Textile Enterprise in an Underdeveloped Area, 1850-1950. Cambridge: Harvard University Press, 1957.

Teixeira, Marco Antônio dos Santos. “Conflitos por terra em diferentes configurações: um estudo de caso em Magé, RJ”. Thesis, Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, 2011.

Thompson, Edward P. A formação da classe operária inglesa: a maldição de Adão. São Paulo: Paz e Terra, 2012.

Weid, Elisabeth von der and Ana Marta Rodrigues Bastos. O Fio da Meada: Estratégia e Expansão de uma indústria têxtil: Companhia América Fabril 1878/1930. Rio de Janeiro: Fundação Casa de Rui Barbosa, 1986.

Welch, Clifford Andrew. A semente foi plantada: as raízes paulistas do movimento sindical camponês no Brasil (1924-1964). São Paulo: Expressão Popular, 2010. English version: The Seed Was Planted: The São Paulo Roots of Brazil’s Rural Labor Movement, 1924–1964. Pennsylvania: Penn State University Press, 1999.

Winn, Peter. Tejedores de la Revolución: los trabajadores de Yarur y la vía chilena al socialismo. Santiago: LOM Ediciones, 2004.

##submission.downloads##

Publicado

2020-11-08