Mulheres escravas e forras na mineração no Brasil, século XVIII

Mujeres esclavas y libres en la minería en Brasil, siglo XVIII

Slave and Freed Women in Mining, 18th-Century Brazil

Autores/as

  • Junia Ferreira Furtado Universidade Federal de Minas Gerais, Universidade Federal de São Paulo, Brasil

DOI:

https://doi.org/10.48038/revlatt.n1.1

Palabras clave:

mujeres, minería, Minas Gerais, esclavas mina

Resumen

Este artículo examina la presencia de mujeres esclavas en la extracción de oro y diamantes en la capitanía de Minas Gerais, Brasil, entre la década de 1680, cuando se descubrió oro en la región, y 1822, año de la independencia de Brasil. Utiliza documentación manuscrita e iconográfica de los siglos XVIII y XIX. Las mujeres africanas esclavas de distintos orígenes que llegaron a las minas se dedicaron a la exploración de oro y diamantes: en los primeros tiempos se destacaron las que provenían de la región de Costa da Mina, conocidas como esclavas “mina”, ya acostumbradas a la minería en África. Las esclavas fueron esenciales en varias etapas del proceso de exploración minera: estuvieron presentes y fueron importantes para el reconocimiento de los lugares más propicios para la aparición del oro, para el dominio de las técnicas de exploración aluvial en el lecho del río y para el uso de instrumentos apropiados, siendo corresponsables de la transmigración de la tecnología minera africana que se utilizaba ampliamente en la exploración minera. Muchas mujeres libres siguieron participando en la minería e incluso lograron reunir cierto peculio.

Abstract

This article highlights the important presence of slave women in the golden and diamond mining in the captaincy of Minas Gerais, Brazil, between the 1680s, when gold was discovered in the region, and 1822, when Brazil’s became independent. To do so, it uses primary document sources and iconographic documentation from the 18th and 19th centuries. Many slave women worked in the Brazilian golden and diamond mines; in the early 18th century especially a group already accustomed to the exploitation of gold in Africa, those from the Costa da Mina, known in the captaincy as “Mina” slaves. Slave women were essential in several stages of the mineral exploration process: they were present and were fundamental for the recognition of the most favorable locations for the appearance of gold, for the mastery of alluvial exploration techniques in the riverbed, as well as for the use of the appropriate tool, being co-responsible for transmigration of African mining technology that was widely used in mineral exploration. Many freedwomen continued to be involved in the golden and diamond rushes and were able to amass some properties.

Resumo

Esse artigo discute a presença das mulheres escravas na mineração aurífera e diamantífera, na capitania de Minas Gerais, Brasil, durante o período colonial, entre a década de 1680, quando se dá a descoberta de ouro na região, e 1822, ano da independência do Brasil. Para tanto, utiliza documentação manuscrita e iconográfica dos séculos XVIII e XIX. Mulheres africanas escravas de todas as procedências que chegavam às Minas se envolveram na exploração de ouro e diamantes, sendo que, nos primeiros tempos, destacaram-se, entre elas, as oriundas da região da Costa da Mina, conhecidas como escravas “mina”, já acostumadas à mineração na África. Cativas foram essenciais em várias etapas do processo de exploração mineral: estiveram presentes e foram importantes para o reconhecimento dos locais mais propícios ao aparecimento do ouro, para o domínio das técnicas de exploração da aluvião no leito dos rios, e para o emprego das ferramentas apropriadas, sendo corresponsáveis pela transmigração da tecnologia africana de mineração que foi fartamente empregada na exploração mineral. Muitas mulheres forras continuaram a se envolver na mineração, algumas chegando a reunir algum pecúlio.

Citas

Andrade, Francisco de, Eduardo e Dejanira F. de Rezende. "Estilo de minerar ouro nas Minas Gerais escravistas, século XVIII". Revista de História, 168, Janeiro-Junho 2013.

Antonil, André João. “Modo de tirar o ouro das minas do Brasil e ribeiros delas, observado de quem nelas assistiu...”, em Cultura e opulência do Brasil. Belo Horizonte: Itatiaia, 1982.

Barbosa, Waldemar de A. Os negros e quilombos em Minas Gerais. Belo Horizonte: edição do autor, 1972.

Bergad, Laird W. Slavery and the Demographic and Economic History of Minas Gerais, Brazil, 1720–1888. Cambridge: Cambridge University Press, 1999.

Bluteau, Raphael. Vocabulario Portuguez e Latino. Lisboa: Oficina de Thadeo Ferreira, 1712.

Calógeras, João Pandiá. As minas do Brasil e sua legislação. Rio de Janeiro: Imprensa Oficial, 1905.

Carmo S. Martins, Maria do e Helenice Carvalho C. da Silva. “Via Bahia: a importação de escravos para Minas Gerais pelo Caminho do Sertão, 1759-1772”, em XII Seminário sobre a economia mineira. Belo Horizonte: Cedeplar/UFMG, 2006.

Carvalho Soares, Mariza de. Devotos da Cor: identidade étnica, religiosidade e escravidão no Rio de Janeiro, século XVIII. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2000.

Coquery-Vidrovitch, Catherine. L’Afrique des routes: histoire de la circulation des hommes, des richesses et des idées à travers le continent africain. Paris: Musée du Quai Brainly Jacques Chirac, 2017.

Costa, Antônio Gilberto, Junia Ferreira Furtado, Friedrich E. Renger, Márcia Maria D. Santos. Cartografia das Minas Gerais: da Capitania à Província. Belo Horizonte: Editora da UFMG, 2002.

Dapper, Olfert D.M. Description de l’Afrique contenant les noms, la situation e les confins de toutes ses parties, leurs rivières, leurs villes, & leurs habitations, leurs plantes & leurs animaux, les moeurs, les coutumes, la langue, les richesses, la religion & le gouvernement de ses peuples avec des cartes des États, des provinces & des villes... Traduite du flamand. Amsterdam: Wolfgang, Waesberge, Boom and van Someren, 1686.

Dias, Maria Odila L. S. “Nos sertões do Rio das Velhas e das Gerais: vida social numa frente de povoamento, 1710-1733”, em Erário Mineral de Luís Gomes Ferreira. Belo Horizonte: Fundação João Pinheiro, 2002.

Eschwege, Wilhelm L. Pluto Brasiliensis. Belo Horizonte: Itatiaia, [1833] 1979.

Fernandes Furtado, Bento. “Notícia dos primeiros descobridores das minas de ouro pertencentes a estas Minas Gerais” en Códice Costa Matoso, coord. Luciano Raposo Figueiredo e Maria Verônica Campos. Belo Horizonte, Fundação João Pinheiro, 1999.

Ferrand, Paul. O ouro em Minas Gerais. Belo Horizonte: Fundação João Pinheiro, 1998.

Ferreira da Silva, Valquíria. Cachaça mineira: produção e consumo de aguardente no século XVIII. Belo Horizonte: Fino Traço, 2019.

Ferreira Furtado, Junia, coord. Erário Mineral de Luís Gomes Ferreira. Belo Horizonte: Fundação João Pinheiro, 2002.

Ferreira Furtado, Junia. “From Brazil’s central highlands to Africa’s ports: trans-Atlantic and continental trade connections in goods and slaves”. Colonial Latin American Review, 21:1, April 2012.

Ferreira Furtado, Junia. “Milho, Feijão, angu e canjica; couve não? Ou o que comiam (ou não) os escravos da mineração”, em História e Alimentação (Brasil séculos XVI-XXI), coord. Leila Mezan Algranti e Sidiana da C. F. de Macêdo. Belém: Editora Paka-Tatu, 2020.

Ferreira Furtado, Junia. “O Distrito dos Diamantes: uma terra de estrelas”, em História de Minas Gerais: as Minas setecentistas, coord. Maria Efigênia Resende e Luís Carlos Villalta. Belo Horizonte: Autêntica, 2007.

Ferreira Furtado, Junia. “Pérolas Negras: mulheres livres de cor no Distrito Diamantino”, em Diálogos Oceânicos: Minas Gerais e as novas abordagens para uma história do Império Ultramarino Português, coord. Junia Ferreira Furtado. Belo Horizonte: Ed. UFMG, 2001.

Ferreira Furtado, Junia. “Quem Nasce, quem chega: o mundo dos escravos no Distrito Diamantino e no arraial do Tejuco” en Trabalho livre, trabalho escravo – Brasil e Europa, séculos XVIII e XIX, coord. Junia Ferreira Furtado e Douglas Cole Libby. São Paulo: Editora Annablume, 2006.

Ferreira Furtado, Junia. “The journey home: a freed mulatto priest, Cipriano Pires Sardinha, and his religious mission”, em Slaves and Religions in Graeco-Roman Antiquity and the modern Americas, coord. Dick Gery, Stephen Hodkinson. Cambridge: Cambridge Scholars Publishing, 2012.

Ferreira Furtado, Junia. Chica da Silva e o contratador dos diamantes: o outro lado do mito. São Paulo, Companhia das Letras, 2003.

Ferreira Furtado, Junia. Homens de negócio, a interiorização da metrópole e do comércio nas Minas setecentistas. São Paulo: Hucitec, 1999.

Ferreira Furtado, Junia. O Livro da Capa Verde: regimento diamantino de 1771 e a vida no Distrito Diamantino no período da Real Extração. São Paulo: Annablume, 1996.

Figueiredo, Luciano. O avesso da memória: cotidiano e trabalho da mulher em Minas Gerais no século XVIII. Brasília: Edunb, 1993.

França Paiva, Eduardo. “Bateias, carumbés, tabuleiros: mineração africana e mestiçagem no Novo Mundo”, em O trabalho mestiço: maneiras de pensar e formas de viver - séculos XVI e XIX, coord. Eduardo França Paiva e Carla Maria Junho Anastasia. São Paulo: Anna Blume, 2002.

França Paiva, Eduardo. “Iconografia colonial das Minas Gerais e do Peru: Para uma História comparada” Portuguese Studies Review, 18, 1, 2011.

Georgius Agricola, De re metallica. Basileia: Froben, 1556.

Gomes Mathias, Herculano. Um recenseamento na capitania de Minas Gerais, Vila Rica – 1804. Rio de Janeiro: Arquivo Nacional, 1969.

Goulart, Maurício. Escravidão africana no Brasil: das origens à extinção do tráfico. São Paulo: Alfa-Ômega, 1975.

Green, Toby. A fistful of shells: West Africa from the rise of the slave trade to the age of Revolution. Chicago: Chicago University Press, 2019.

Higgins, Kathleen J. “Licentious liberty” in a Brazilian Gold-mining region. Pennsylvania: The Pennsylvania State University Press, 1999.

Julião, Carlos. Riscos iluminados de figurinos de brancos e negros dos uzos do Rio de Janeiro e Serro do Frio, coord. Lygia da Fonseca Fernandes da Cunha. Rio de Janeiro: Biblioteca Nacional, 1960.

Karasch, Mary C. A vida dos escravos no Rio de Janeiro, 1808-1850. São Paulo: Companhia das Letras, 2000.

Marcondes de Moura, Carlos Eugênio. A travessia da Calunga Grande. São Paulo: Edusp, 2000.

Martins, Roberto B. Crescendo em silêncio: a incrível economia escravista de Minas Gerais no século XIX. Belo Horizonte: ICAM/ABPHE, 2018.

Mawe, John. Viagens ao interior do Brasil. Belo Horizonte: Itatiaia, 1978.

“Noticia geral de toda esta capitania da Bahia desde o seu descobrimento até o presente ano de 1759”. Revista do Instituto Geográfico e Histórico da Bahia, 57, 1931.

Oliveira Muscalu, Ivana P. de. “Donde o ouro vem”: uma história do Reino do Monomotapa a partir das fontes portuguesas. São Paulo: Intermeios, 2015.

Oliveira, Maria Inês. “Quem eram os ‘negros da Guiné’? A origem dos africanos na Bahia”, Afro-Ásia, 19/20, 1997.

Pacheco Pereira, Duarte. Esmeraldo de Situ Orbis (1506-1508). Lisboa: Academia Portuguesa de História, 1955, II, V.

Pessoa de Castro, Yeda. A língua Mina-Jeje no Brasil: um falar africano em Ouro Preto do século XVIII. Belo Horizonte: Fundação João Pinheiro, 2002.

Preston Blier, Suzanne. L’Art royal africain. Paris: Flammarion, 1998.

Queimada, Jacutinga, Ouro Fino, Ouro Podre, Santa Ana, São João, Piedade, Caminho Novo, Lages, Ramos e São Sebastião.

Queiroz, Sônia. Pé preto no barro branco: a língua dos negros da Tabatinga. Belo Horizonte: Editora da UFMG, 1998.

Reis, Flávia Maria da Mata. Entre faisqueiras, catas e galerias: explorações do ouro, leis e cotidiano nas minas do século XVIII (1702-1762). Belo Horizonte: UFMG, 2007.

Reis, Flávia Maria da Mata. Mineração colonial: métodos e técnicas de exploração do ouro (Minas Gerais, séc. XVIII). Belo Horizonte: UFMG, 2002.

Russell-Wood, A. J. R. The black man in slavery and freedom in colonial Brazil. Nova York: St. Martin’s Press, 1982.

Saint Hilaire, Auguste. Viagem pelas Províncias do Rio de Janeiro e Minas Gerais. Belo Horizonte: Itatiaia, 1975.

Santos, Raphael e Carolina Correa. "A trajetória economica da comarca do Rio das Velhas:um estudo das estruturas de posse de escravos e as relações com o mercado internacional de escravos (século XVIII)", em Escravidão, Mestiçagem e Histórias Comparadas, coord. Eduardo F. Paiva; Isnara P. Ivo. Sao Paulo: Annablume, 2008.

Scarano, Julita. Devoção e escravidão. A Irmandade de Nossa Senhora do Rosário dos Pretos no Distrito Diamantino no século XVIII. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 1978.

Sena, Nelson de. “Factos e casos da nossa língua no Brasil – ainda sobre africanismos occurentes na linguagem popular brasileira”. Revista do Arquivo Público Mineiro, 1, 1937.

Sequeira, José Manuel de. “Memória que José Manuel de Sequeira, presbítero secular, professor Real da Filosofia Racional e Moral da Vila do Cuiabá, acadêmico da Real Academia das Ciências de Lisboa, enviou a mesma Academia sobre a decadência atual das três capitanias de minas e os meios d’a reparar, no ano de 1802”, em Monções de Sérgio Buarque de Holanda. Rio de Janeiro: Casa do Estudante do Brasil, 1945.

Silva, João Julião da, Zacarias Herculano da Silva e Guilherme Ezequiel da Silva. Memórias de Sofala, coord. José F. Feliciano, Victor Hugo Nicolau. Lisboa: CNPCDP, 1998.

“Sobre o descobrimento dos diamantes na Comarca do Serro do Frio”. Revista do Arquivo Público Mineiro, 7, 1902.

Stolze Lima, Ivana e Laura do Carmo, coord. História social da língua nacional 2: diáspora africana. Rio de Janeiro: Nau/Faperj, 2014.

Thornton, John. A África e os africanos na formação do mundo atlântico, 1400-1800. Rio de Janeiro: Elsevier, 2004.

Verger, Pierre. Fluxo e refluxo do tráfico de escravos entre o Golfo do Benin e a Bahia de Todos os Santos, dos séculos XVII a XIX. Sao Paulo: Editoria Corrupio, 1987.

Vidal Luna, Francisco e Iraci Del Nero da Costa, Minas Colonial: economia e sociedade. São Paulo: Pioneira, 1992.

Vieira Ribeiro, Alexandre. “E lá se vão para as minas: perfil do comércio de escravos despachados da Bahia para Minas Gerais na segunda metade do século XVIII”, em XII Seminário sobre a economia mineira. Belo Horizonte: Cedeplar/UFMG, 2006.

Vieira Ribeiro, Alexandre. O tráfico atlântico de escravos e a praça mercantil de Salvador, c. 1680-c. 1830. Rio de Janeiro: UFRJ, 2005.

##submission.downloads##

Publicado

2020-11-06